FOCUS e juventude carismática na Missão Marajó 2016

O líder aos moldes de Jesus – Por Larissa Horácio
14 de julho de 2016
jmj20161
RCC Internacional realiza Festival de Louvor e Adoração na JMJ 2016
26 de agosto de 2016
interpretes missionarios

Entre os dias 13 e 24 de julho desse ano, missionários do grupo americano FOCUS e intérpretes missionários brasileiros, estiveram na cidade de Breves no Marajó em missão de evangelização. Esse é o segundo ano que a casa de missão da RCC acolhe o grupo. Os intérpretes são jovens carismáticos de várias partes do Brasil, que foram escolhidos para ser a ponte de comunicação entre os estrangeiros e a comunidade marajoara.  

Durante esse período, os missionários puderam conhecer as atividades da casa de missão, os projetos realizados como o Projeto Anjo da Guarda e conhecer as realidades dos ribeirinhos das vilas ao redor da cidade. A missão gerou um grande encontro entre cultura brasileira e americana, entre as espiritualidades que cada grupo trazia e entres jovens de diversos lugares com o mesmo desejo de anunciar Jesus aos povos.

Após a missão, conversamos com os jovens carismáticos na cidade de Belém.

 

MUR Brasil – O que vocês acharam da missão desse ano?

Karolinne Kaufmann – “Foi ótima! Poder conviver com pessoas de culturas diferentes, tanto os americanos quanto os marajoaras, foi enriquecedor. Poder viver um pouco da rotina dos ribeirinhos foi muito precioso, assim como receber o acolhimento deles.”

Gustavo Klaar – “O propósito de fazer missão de evangelização no Marajó foi melhor do que esperava porque pelo jeito de viver deles, nós que acabamos sendo evangelizados.”

Carolina Caldas – “Pude ver Deus cuidando de nós em cada momento. Só tenho a agradecer porque realmente meu coração foi muito tocado por Ele e com certeza a forma que cheguei não é a forma que estou voltando.”

 

MUR Brasil – Alguém gostaria de partilhar algum testemunho ou experiência marcante que viveu?

Octavio Henrique – “O que mais me marcou foi a hospitalidade do povo ribeirinho, eram famílias bem carentes de bens materiais mas nada carentes de bens espirituais e afetivos. Recepcionaram-nos com tanto amor que mal dava para acreditar que eles não tinham coisas que nós, de cidade grande, estamos acostumados a ter. Eu, particularmente, não tinha visto hospitalidade assim em grandes cidades que visitei.”

Mainara Teixeira – “Na primeira casa que fomos, acho que a moça não era católica, então não conseguimos conversar muito bem com ela e decidimos ir para outra. Não sabíamos para onde iríamos, apenas saímos andando. Então bati palma na frente de uma casa e disse ‘Ô de casa!’ e fomos recebidos por um rapaz e uma moça. Esse rapaz tinha mais de 30 anos e estava doente por 1 ano e 4 meses com bronquite, pedra na vesícula e outras doenças. Ele também estava com depressão. Então eu pensei, durante 1 ano e 4 meses eu estive nos Estados Unidos, vivendo no conforto e com viagens enquanto esse pai de família estava vivendo essas enfermidades físicas e psicológicas. Quando ele disse que estava com depressão ‘quebrou minhas pernas’ porque também passei por isso. Essa foi a primeira vez que rezei por alguém com a própria pessoa presente, antes disso sempre dizia ‘vou rezar por você’. Então houve muita presença do Espírito Santo. Depois que falamos com os outros meninos, todos disseram que os moradores falavam para irem na casa desse rapaz mas fomos nós que Deus escolheu. Foi muito importante esse momento com eles.”  

Carolina Caldas – “Uma das coisas que me tocou muito foras as missas e horas santas diárias que com certeza nos preparavam para os momentos. Cada vez que íamos para uma missão acaba sendo muito intenso. Assim, cada vez mais o grupo ficava unido, cada vez mais nos entendíamos melhor, até chegar ao ponto de não haver mais diferenças entre nós.”

 

MUR Brasil – Como foi à experiência com o grupo FOCUS?

Thayse Regina – “Foi maravilhoso conviver com pessoas de diversas partes dos EUA e ver que o que fala mais alto é o amor, amor fraterno e puro, ver que existem homens e mulheres dedicados a uma vida santa e digna, que existem pessoas lutando para ajudar a humanidade.”

Karolinne Kaufmann – “Ouso dizer que nós brasileiros transmitimos alguns hábitos de afeto como abraçar e ficar perto uns dos outros. Eu notei o quanto eles viveram e demonstraram isso conosco.”  

 

MUR Brasil – Algo a dizer sobre o MUR?

Diego Alexsander – “Aprendi muitas coisas com o pessoal do MUR, vou levar (o aprendizado) para minha cidade, pro meu movimento Obra jovem Mãe de Deus e comigo.”

Octavio Henrique – “Uma das experiências mais profundas com o Ministério Universidades Renovadas.”

 

Que saber mais sobre os jovens carismáticos que estiveram na missão? Clique na imagem.

 

interpretes missionarios

 

Após a missão, o paulista Octavio Henrique, por um chamado de Deus, decidiu ficar na casa de missão em Breves por mais um mês. Para os demais, a missão deixou saudade, mas ao mesmo tempo, muitos laços fraternos.

O MUR Brasil agradece a todos os colaboradores e facilitadores dessa missão. Que as bençãos do Senhor se derramem sobre essas vidas.