12 cestos cheios – por Ivna Sá

Campanha: Curtidas não salvam vidas. Atitude Sim!
3 de outubro de 2016
Equipe Nacional do MUR prepara o ano de 2017
13 de novembro de 2016
WhatsAppImage2016-10-25at16.17.53

Se você leu o livro “Daí-lhe vós mesmos de comer”, não pode deixar de ler essa história partilhada pela própria Ivna Sá. Se você ainda não leu, vejo como vale a pena sonhar com a renovação da sua universidade e como as coisas acontecem no tempo certo, tempo de Deus.

 

Partilha da última terça, 25 de outubro de 2016,

UM DIA DE GRATIDÃO…22 anos de uma história que impactaria a minha vida e de uma infinidade de pessoas que não consigo dimensionar.

WhatsAppImage2016-10-25at16.17.53Eu era uma moça de 17 anos que sonhava estudar na UFMG, comer no RU, andar pelas ruas do campus. Mas quis o Senhor que o meu destino acadêmico fosse outro, não obstante tenha me esforçado muito para ter uma vaga na universidade pública. Um dia no cursinho em BH, encontrei um folder de uma faculdade chamada Fafi-BH. Inscrevi-me no vestibular porque grande era o medo de ser reprovada pela segunda vez na UFMG. E de fato aconteceu. Ao chegar no prédio onde eu estudaria, deparo-me com uma estrutura feia e, em cima, uma placa da loja Pneus Diniz. Para quem imaginava um campus da UFMG, aquele lugar era muito aquém. Mas naquele mesmo ano de 1994, Deus tinha para mim um sonho: “fazer um grupo de oração universitário naquela escola para que promovendo a síntese fé e razão pudéssemos ousar em sonhar com uma sociedade diferente”. Entrei nessa aventura sem saber para onde iria. Coloquei meus míseros 5 pães e 2 peixes a disposição do Senhor, e ELE fez o milagre. E do mesmo modo que ocorreu no relato bíblico, onde sobraram 12 cestos cheios, também na minha vida e história transbordaram os cestos. O GOU do UNI-BH (Kerigma) foi um celeiro de amor e seu testemunho inspirou gerações inteiras do Ministério Universidades Renovadas com as minhas pregações do sonho Brasil afora e pelas páginas do meu livro publicado em 2004.

O GOU “morreu” por um tempo…Meu coração parecia morrer junto. Como pode, Senhor, uma obra tão linda morrer assim? Até que no ano passado, recebi o convite para pregar durante a reunião de oração do grupo no campus da faculdade, onde tem um capela lindíssima. Naquele dia, os sinos da capela tocaram no intervalo. Alunos de todos os lados iam se aproximando, havia gente do lado de fora querendo compreender o que estava se passando. E eu ali, testemunhava, um sonho que me tomou por inteiro, banhado de muito amor, lágrimas e encontros que fizeram os meus maiores e melhores amigos. Para quem sonhava com um campus bonito para estudar, Deus me dava a graça de contemplar um campus com capela e sinos que tocavam…Mais uma vez os cestos transbordaram…

Há 22 anos, nessa hora, em oração, eu pedia como uma criança que me ajudasse naquele primeiro dia do grupo. Éramos apenas eu e a Flávia Rocha. A Palavra que recebi no livro de Mateus 10 dizia que eu não precisava temer, porque era o Espírito quem falaria por mim. Mesmo sem compreender o que significaria tudo aquilo, embarquei-me nessa aventura. Não consigo imaginar como seria minha vida sem essa escolha.

E hoje, às 20h40, estarei na Capela do UNI-BH, para testemunhar que o nosso sim é mesmo como um “grão de mostarda” capaz de crescer e se tornar uma árvore frondosa onde as aves do céu nela podem habitar.

Ah coração!! Eu estou sem aguentar tudo que tenho vivido neste tempo!!! Obrigada Senhor